Ud está aquí:
  1. Início
  2. Atividades
  3. Documentos para a História de Europa
  4. Catalina de la Rosa, autora de comédias (?-1646)

Catalina de la Rosa, autora de comédias (?-1646)

Catalina de la Rosa

As mulheres do teatro na Século de Ouro espanhol

É bem conhecido o florescimento do teatro, e da literatura em geral, num século politicamente convulsionado como o dos Seiscientos na Espanha. O século XVII é o século de Lope de Vega, Vélez de Guevara, Calderón de la Barca, Rojas Zorrilla, Tirso de Molina, Quevedo, Góngora, Baltasar Gracián, Zurbarán, do último Cervantes; e de Shakespeare, Molière ou Racine. Mas também de Irmã Ana Abarca de Bolea, Irmã Ana de Jesús, Mariana de Carvajal, Ana de Castro, Isabel de Liaño, Cristobalina Fernández de Alarcón, Irmã Úrsula de Jesús, Irmã Juana de la Concepción, Leonor de Ovando, Luisa de Padilla y Manrique, Leonor Meneses Noronha, madame de La Fayette, Francesca Caccini ou Lucy Hutchinson.

No âmbito hispânico não há mais do que uma dúzia de dramaturgas cujos nomes chegaram até nós: María de Zayas (¿1590?-post 1647), Leonor de la Cueva y Silva (início-final S. XVII), Feliciana Enríquez (1619-1627), Ana Caro (1628-1645), Irmã Juana Inés de la Cruz (1648-1695), Margarita Ruano (meados-final S. XVII), Irmã Gregoria Francisca de Santa Teresa (1653-1736), ou Irmã Marcela de San Félix (1660). Das quais conservamos poucos textos.

Mas há muitas fontes que dão conta dos nomes das atrizes e empresárias da época. Documentação municipal e notarial, sobretudo, mas também real, como a mantida pelo ACA - Arquivo da Coroa de Aragão, uma vez que a atividade das empresas estava sujeita à licença administrativa. Atrizes como Catalina de la Rosa, Isabel de Góngora, Luisa Antonia López, Francisca López, María Jiménez, Josefa Antonia Mazana, Josefa Lobaco, Luisa de Santa Cruz, Leonor de Velasco, Mariana de Morales, Inés de Lara y Arnalte, Ana María Franco, María de Neyra, Leonor María, Magdalena López “la Camacha”, Antonia Bernarda, María Vallejo, Juana e María de los Reyes, Ana de Montenegro, Micaela Fernández Bravo, Isabel María, Ana María de Dios, Manuela Godoy, Ana de Vargas, Mariana Engracia “la Vanolera”, Hipólita María de Quiñones, Manuela Blanco, Tomasa Josefa, Mariana de León, Isabel de Gálvez, María de Córdoba “Amarilis”, María Candasno, Ana de Coca, María Candado “Maritardía”, Lucía e Jerónima de Salcedo, María de los Ángeles, Jerónima de Burgos, María Calderón, María de Vergara... Muitas delas são também autoras ou empresárias, como Inés de Lara, Jusepa Vaca, María de Heredia, Catalina de la Rosa ou Juana de los Reyes, até aproximar-se de setenta.

A Companhia de la Rosa

Fundada em 1636 por Pedro de la Rosa (circa 1613-1675) depois de deixar a companhia de Tomás Fernández, e quando já estava unido com Catalina Nicolás, que havia alterado o seu apelido de casada. O filho de ambos, Pedro, nasceu em Valladolid em 1635.

Durante décadas, a Companhia de la Rosa desfrutou de grande sucesso em todos os cenários teatrais do momento: trabalhou para os reis, para a nobreza e para as cidades, em palácios, teatros e ruas. A rainha Isabel de Bourbon estava entre o seu público habitual, como se observa no memorial. Representou entre 1636 e 1675 peças teatrais e comédias dos principais escritores do momento. No mesmo ano de sua fundação obteve as representações para as festas do Corpo de Deus em Madri, e na celebração dos contratos correspondentes, ambos já eram obrigados, Pedro e Catalina. O sucesso da companhia foi deslumbrante, e Madri foi seguida por

Segóvia e Burgos (1636), Valência (1637 e 1645), Cádis (1638), Sevilha (1638 e 1639), Madri (1639, 1641, 1642 e 1644), Málaga (1640), Granada (1640), Valladolid (1641) e 1644), Toledo (1642 e 1644), Paris (1643) e Salamanca (1644 e 1646), antes do falecimento de Catalina. Nos anos que se seguiram, casado Pedro com a atriz Antonia de Santiago, acompanhou o sucesso da Companhia de la Rosa em Valência, Sevilha, Madri, Salamanca, Valladolid, Córdoba, Segóvia e Paris (1661-1673). Deste último período, o Arquivo Histórico da Nobreza conserva um memorial a pedir à rainha um aumento na ajuda de gastos de viagem. Nueva ventana

Em seu testamento de 1660 Pedro de la Rosa declara que ao casar-se com Catalina nenhum deles possuía bens, e quando ela morreu o património comum equivalia a 1.000 ducados.

Memorial de Pedro e Catalina de la Rosa Pulse para ampliar
Memorial de Pedro e Catalina de la Rosa Pulse para ampliar

O memorial de Pedro e Catalina de la Rosa (1645)

Em 19 de novembro de 1645 Pedro e Catalina de la Rosa, "autores de comédias", solicitaram ao rei Filipe IV que pagasse o que lhes era devido pelos “particulares” - espetáculos teatrais oferecidos em salas privadas - encenados para as suas majestades nos últimos quatro anos, que equivaliam a 9.400 reais. Caso contrário, rogavam-lhe que lhes concedesse dois ou três privilégios cavalheirescos, que se compravam na Catalunha e no Reino de Valência, proporcionando-lhes assim alguns ingressos por conta.

O memorial termina com a rima:

«Que valendo-nos dinheiros

Quando, com vão aparato,

Compre outro o cavalerado,

Seremos os cavaleiros.»

Em 24 de novembro de 1645, Pedro de la Rosa assinou o recibo dos 2.000 reais de prata dupla que o rei, que presidia as últimas Cortes Valencianas, tinha ordenado liberar-lhe.

Testemunhos das representações teatrais na Coroa de Aragão

Os documentos sobre comédias, autores, atrizes, atores, músicos ou companhias teatrais registados pelos oficiais e escribas da Coroa documentam o ponto de vista da administração real. Os testemunhos sobre casas ou currais de comédia, o teatro em palácios ou universidades na ACA ilustram temas como autorizações (ACA,CONSEJO DE ARAGÓN,Legajos,768,nº47; 602,nº38; ou 911,nº162), controvérsias surgidas nos hospitais - de Maiorca ou Valência, por exemplo - para quem o teatro foi uma importante fonte de financiamento (ACA,CONSEJO DE ARAGÓN,Legajos,870,nº291; 725,nº38; 729,nº038; 899,nº39 ou 936,nº18), escândalos por alterações à entrada ou saída do teatro (ACA,CONSEJO DE ARAGÓN,Legajos,873,nº67), diatribes moralizadoras sobre peças ou atrizes (ACA,CONSEJO DE ARAGÓN,Legajos,1008) ou a censura sobre fatos e vestuário (ACA,CONSEJO DE ARAGÓN,Legajos,662,nº072 ou 904,nº128).

Todos os documentos estão disponíveis através do PARES Nueva ventana

Línea horizontal

ACA,CONSEJO DE ARAGÓN,Legajos,1355,nº 033

Ligação para o documento em PARES

Bibliografia PDF

Transcrição PDF

Subir

Esta web utiliza cookies propias para facilitar la navegación y cookies de terceros para obtener estadísticas de uso y satisfacción.

Puede obtener más información en el apartado "Cookies" de nuestro aviso legal.

AceptarRechazar